As aulas de modelagem em argila acontecem regularmente em nosso espaço  da Vila Madalena, em São Paulo. Em qualquer momento do ano, havendo disponibilidade de vaga, o participante pode iniciar a prática de 3 horas semanais em dois turnos: manhã ou noite, sob a orientação personalizada das ceramistas Ana Glaura ou Maya Moreira. 

Os cursos são para iniciantes e iniciados. Em todas as turmas oferecemos um atendimento bastante pessoal, portanto quem sabe pouco sobre cerâmica será introduzido no assunto e quem já tem noções de como modelar o barro e transforma-lo em peças, poderá tirar dúvidas e aprender com a prática. Acreditamos neste constante ciclo de aprendizagem: praticar, refletir e aperfeiçoar.

Durante os encontros, praticamos técnicas de modelagem para produção de utilitários como pinching, coiling, ocagem e placas. Exploramos modelagem de argila, texturas, uso de barbotinas e engobes . Se você está lendo e não sabe o que é tudo isso, será a chance de aprender!  E quem já conhece terá a oportunidade de se aprofundar.

Ferramentas

O material de trabalho, são de uso comum. A argila já está inclusa no valor da mensalidade. As queimas são cobradas à parte no momento da entrega de sua produção.

 

Torno:

Não ensinamos a prática do torno em nossos encontros de São Paulo, somente nos workshops de modelagem em Ibiúna.

 

Queimas:

As peças são levadas para a queima no forno de alta temperatura em Ibiúna e cobradas à parte, por peso.

 

Horários:

De segunda à sexta, em dois turnos:

Manhã: 8h às 11h

Noite: 19h às 22h

Facilitadoras:

 

Ana Glaura

Foi um pouco depois de se formar como designer que Ana Glaura descobriu o prazer de trabalhar com o barro e transformá-lo em cerâmica. Primeiro teve aulas com as ceramistas Lucia Ramenzoni e Celia Cymbalista em São Paulo. Anos mais tarde, estudou no Greenwich House Pottery, em Nova York. Depois frequentou cursos de modelagem e esmaltes com a professora Estela Miyauchi, e de torno com a mestra Hideko Honma. Foi aí que Gisele a convidou para dar início ao Muriqui, parceria que segue até hoje, 15 anos depois. Em paralelo ao atelier, fez formação em Terapia Artística e pôde compreender o quão precioso é para a alma humana a execução de um trabalho artístico. Passou a dar aulas quando percebeu um alinhamento de seu prazer pelo processo cerâmico com a satisfação em ver o que ele traz para a vida das pessoas em diferentes âmbitos.

 O que mais a motiva é, depois de ensinar as técnicas, estimular os alunos para que cada um possa trazer algo de si, que muitas vezes nem imaginavam ser capazes. Para ela, hoje, fazer cerâmica é muito mais do que o objeto em si, já que o processo continua quando a peça também evoca sentimentos em quem produziu e em quem recebe e usa.

 

Maya Moreira

 

Psicóloga de formação e amante de trabalhos manuais e artesanais, Maya teve seu primeiro contato com o fazer cerâmico no atelier Vanessa Branco. Quando apareceu a oportunidade de participar de um workshop em Ibiúna e conhecer a Gisele,  nasceu uma relação de aprendizados, descobertas e muito respeito. Após alguns meses fazendo uma residência no Atelier em Ibiúna, foi convidada a dar aulas no showroom em São Paulo. Assim saiu do lugar de aprendiz para ocupar um que nunca havia imaginado. Desde 2017 é professora, mas conta que está sempre apreendendo e ampliando seus conhecimentos em argila a partir, principalmente, desta troca com os alunos. Sendo psicóloga junguiana, enxerga no ato de manipular e criar com a argila, uma manifestação simbólica que pode ser muito terapêutica, percebendo nas dinâmicas das relações que se estabelecem nas suas turmas um potencial de crescimento individual e coletivo muito bonito e duradouro. No contato com a matéria que se abre à criação e no contato com os outros, nasce uma nova forma de ver e sentir a si e ao outro.

 

 

 

Aulas regulares

foto : Guillermo White

foto : Guillermo White

foto : acervo pessoal